Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Portela toca corações na Sapucaí com poderoso enredo antirracismo

DEU SHOW NO SAMBÓDROMO

Portela toca corações na Sapucaí com poderoso enredo antirracismo

Agremiação de Madureira Destaca-se com Homenagem à Luta de Luísa Mahin

Por Rlagos Noticias

13 de fevereiro de 2024

Compartilhar no WhatsApp
Portela foi a segunda escola a desfilar nesta segunda-feira Pedro Ivo/Agencia O Dia

RIO – No vibrante segundo dia de desfiles do Grupo Especial, a Portela, tradicional escola de samba de Madureira, proporcionou um dos momentos mais emocionantes da Marquês de Sapucaí. Com o enredo “Um defeito de cor”, inspirado na aclamada obra da escritora mineira Ana Maria Gonçalves, a escola narrou a vida de Luísa Mahin, uma das figuras mais emblemáticas na luta contra a escravidão no Brasil.

Sob a direção de André Rodrigues e Antônio Gonzaga, que assumiram pela primeira vez a responsabilidade de liderar a maior campeã do Carnaval carioca, a Portela apresentou uma narrativa envolvente e profundamente comovente. O livro, considerado um marco literário brasileiro do século XXI, oferece um retrato inspirador de Luísa Mahin, desde sua infância no Reino do Daomé até sua libertação e retorno como uma mulher livre.

A escola se destacou não apenas pelo enredo impactante, mas também pela magnífica execução alegórica, ilustrando a trajetória de luta e resistência de Mahin. Personalidades de destaque, como o ator Lázaro Ramos e o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, participaram do desfile representando Luís Gama, filho de Luísa Mahin e patrono da abolição da escravatura no Brasil. Juntamente com Taís Araújo, Paulo Vieira, Sheron Menezzes e Adriane Galisteu, esses convidados enriqueceram a passarela com sua presença significativa.

Em um gesto de profunda empatia e solidariedade, a Portela também homenageou mulheres negras que perderam seus filhos para a violência no Rio, incluindo Marinete da Silva, mãe da vereadora Marielle Franco, brutalmente assassinada em 2018, e Jackeline Oliveira, mãe de Kathlen Romeu, grávida morta no Lins em 2021. Esta escolha emocionou profundamente o público, reforçando a mensagem antirracista do desfile.

Apesar dos desafios técnicos enfrentados, como a retirada de esculturas de um dos carros alegóricos e dificuldades de entrada na avenida que impactaram a evolução, a Portela entregou uma performance memorável. O samba-enredo começou forte, embora tenha enfrentado oscilações ao longo do percurso pela Sapucaí.

A apresentação da Portela na noite de segunda-feira reafirmou o Carnaval como um espaço de expressão cultural, política e social, utilizando a arte para dialogar sobre temas essenciais como racismo, história e memória. A escola de Madureira deixou sua marca na história do carnaval de 2024, não só pela beleza de seu desfile, mas pela poderosa mensagem que carregou através da Sapucaí.

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Noticias

13 de fevereiro de 2024

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!