Search
Close this search box.
Search
Close this search box.
Exclusivo: Juiz ordena a soltura de um dos PMs do 25º BPM e seu primo suspeitos do homicídio dos sargentos das forças armadas em São Pedro da Aldeia

Exclusivo: Juiz ordena a soltura de um dos PMs do 25º BPM e seu primo suspeitos do homicídio dos sargentos das forças armadas em São Pedro da Aldeia

Por Rlagos Notícias

20 de setembro de 2023

Compartilhar no WhatsApp
A decisão é polêmica e levanta questões sobre o sistema de justiça criminal, especialmente no que diz respeito a casos envolvendo agentes de segurança pública acusados de crimes graves.

SÃO PEDRO DA ALDEIA – Em decisão polêmica, o Juiz Danilo Marques Borges determinou na tarde desta quarta-feira (20), a liberação do policial militar Marcos Paulo Tavares, lotado no 25º BPM (Cabo Frio), e de seu primo, um funcionário da prefeitura que estava foragido. Ambos são acusados da morte de dois sargentos das Forças Armadas em São Pedro da Aldeia, ocorrida em dezembro de 2022.

🔔 O Rlagos Rio agora está no Canal do WhatsApp: Clique aqui para seguir o novo canal do Rlagos Notícias no WhatsApp

Audiência Prolongada

A audiência, que teve início às 13:00 e se estendeu até as 20:30, contou com a participação do primo foragido, tornando o caso ainda mais complexo e polêmico.

Antecedentes e Acusações

Marcos Paulo Tavares chegou a ser acusado de ter envolvimento direto na morte dos sargentos das Forças Armadas. Seu primo, que estava foragido até então e trabalhava na prefeitura, também foi implicado no caso.

Sargento da Marinha, identificado como Sidney Lins dos Santos Júnior e de um Sargento do Exército identificado como Júlio César Mikaloski Equey, ocorridas em 03/12/2022.

Decisão Judicial

O juiz Danilo Marques Borges, encarregado do caso, tomou a decisão de liberar ambos após a audiência. Não foram divulgados detalhes sobre os argumentos que levaram à decisão de soltura, o que deverá ser objeto de escrutínio e debate público nos próximos dias.

A decisão é polêmica e levanta questões sobre o sistema de justiça criminal, especialmente no que diz respeito a casos envolvendo agentes de segurança pública acusados de crimes graves. Ficarão sob a expectativa os próximos passos do Ministério Público e se haverá recurso contra a decisão.

Relembre o caso

Dois militares, um da marinha e outro do exército foram mortos na tarde de sábado (03), em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio.

De acordo com a polícia, os corpos foram encontrados carbonizados dentro de um carro na Estrada da Caveira, em São Pedro da Aldeia.

Segundo a polícia, um dos militares era morador de Santa Rita, os dois estavam passando um final de semana na Região dos Lagos, quando foram rendidos por um grupo de criminosos que os torturaram e logo em seguida queimaram eles vivos.

Os corpos foram levados para o IML de Cabo Frio, familiares já foram no local para realizar exames de DNA para confirmar se são os dois que estão desaparecidos.

O caso foi registrado na 125ª DP de São Pedro da Aldeia, e segue em investigação, ninguém foi preso

O carro apreendido também foi periciado com luminol, e como se esperava também reagiu positivo em alguns locais em seu interior, inclusive em um galão de combustível encontrado na mala do carro, corroborando com a narrativa da testemunha onde disse que Alexsandro entregou um galão que estava na mala de seu carro para Marcos Paulo comprar combustível.

De acordo com as investigações, foi possível concluir que após homicídio, os envolvidos com a intenção de acabar com as provas, levaram os corpos das vítimas e colocaram fogo no carro, enquanto Nayara e Vanessa ficaram incumbidas de apagar os vestígios na boate e lavar o local.

Além dos Policiais Militares, o terceiro autor envolvido foi identificado, Luiz Marcelo Amorim Trindade, primo do Policial Militar Alexsander Amorim, L. Marcelo teria chegado junto com Alexsander na boate, participou dos Homicídios e ajudou na destruição dos corpos. L. Marcelo é Bacharel em Direito e trabalhava na Prefeitura de Cabo Frio. Após a prisão do primo Alexsandro, temendo que a investigação chegasse até o mesmo, abandonou sua residência, e encontra-se foragido.

Luiz Marcelo e os Policiais Marcos Paulo e Alexsander responderão por Duplo Homicídio Qualificado, Destruição de Cadáveres e Fraude Processual. Nayara e Vanessa, donas da boate, responderão por Fraude Processual.

‘Confusão na boate’

Casa de prostituição localizada em São Pedro da Aldeia. Imagem: Rlagos Notícias

Segundo Elisandro, um terceiro amigo morador da cidade, que estaria com os militares no dia em que foram executados, também foi convidado a depor na delegacia. Enquanto o pai estava na unidade policial, leu um depoimento de uma testemunha detalhando o que poderia ter acontecido com os militares na noite em foram assassinados. Julio e Sidney estariam se divertindo dentro de uma boate, em São João da Aldeia, quando uma confusão começou. Na ocasião, homens que estariam armados com fuzis entraram na casa de festa e levaram os militares para o carro de Julio, indo em direção à Estrada da Caveira, local onde foram encontrados carbonizados.

Visita à casa de prostituição

Foto: — Foto: Reprodução

Após assistirem ao jogo do Brasil pela Copa, em um bar da cidade, Julio e Sidinei horas antes de serem assassinados visitaram uma casa de prostituição na região. O GPS encontrado no carro mostra o trajeto feito pelos militares na noite do crime. O registro de ocorrência foi feito por volta das 7h30 de sábado. Policiais militares do 25° BPM(Cabo Frio) foram até o local. Ao chegarem, os cadáveres sem identificação foram localizados no banco de trás e no porta-malas do veículo.

Julio Cezar era separado e mantinha a guarda dos filhos compartilhada. Ele morava sozinho no bairro Monte Castelo, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Já o amigo Sidinei Lins, conhecido do militar há quase 10 anos, teria se mudado para Cabo Frio há poucos meses. Foi a convite dele que Julio decidiu viajar. Agora, o pai espera que todas as providências sejam tomadas para que o caso possa ser solucionado.

— Eu quero que os responsáveis pela morte dele sejam presos. Meu filho não merecia isso. Estou muito chateado porque até agora não fizemos o exame de DNA. Ninguém nos ligou para agendar nada. E agora, eu fico aqui esperando respostas e sofrendo a perda do meu filho — disse Elisandro, pai do militar Julio Cesar.

Compartilhar no WhatsApp

Por Rlagos Notícias

20 de setembro de 2023

Search
Close this search box.

Faça parte do maior grupo exclusivo de noticias da região!

Nosso grupo te da acesso exclusivo as noticias mais quentes e recentes do momento sobre tudo que buscar!